quarta-feira, 24 de julho de 2013

Faça o bem sem olhar a quem.

Depois de duas horas de sono  bastante conturbadas, com pesadelos que me fizeram trazer a energia para esse plano ao despertar, me vejo frente a um exemplo lindo de amor ao próximo.


"7:30 da manhã, me preparando para sair de casa para vir trabalhar me deparo com o meu pai chegando em casa, sem agasalho e todo arrepiado de frio.


- Pai, o senhor é louco de sair de casa sem agasalho nesse frio? 
- Eu “tava” de agasalho, filha, mas vi um andarilho senhorzinho todo encolhido de frio lá na praça, tirei minha blusa e dei para ele. "

Não preciso dizer que na hora meus olhos lacrimejaram, né?! Não preciso dizer que naquele momento ele acabara de despertar um lado em mim, que a muito estava dormindo.
Evidentemente, cai em pranto, me entreguei ao momento, e até agora meu rosto continua molhado.
ESSE É O CARA.

Sabe, não deveríamos nos impressionar com a atitude que o meu pai teve, essa atitude deveria ser frequente, espontânea, deveria ser algo que fizesse parte de cada um de nós, mas nos dias atuais é algo completamente raro, é algo para quem realmente tem pureza no ser.

É.
Mas é justamente por essa razão que mantenho acesa em mim, a chama da esperança na Humanidade. Além do meu pai aquecer um senhorzinho que ele não conhece, nunca viu antes e talvez nunca mais verá, ele também aqueceu o meu coração.

Ainda com os olhos molhados e um tanto perdida nas palavras devido a tamanha emoção que ele me proporcionou, agradeço, obrigada pelo choque de amor ao próximo, obrigada pelo exemplo de pai, homem e HUMANO QUE É. 

Obrigada.


Eu te amo, 
apesar dos nossos atritos rs
eu te amo, MUITO  ♥

sábado, 13 de julho de 2013

Eis a pergunta:



Mas então o que realmente vale nessa vida? 

Não me levem a mal, mas eu tenho acreditado que o que realmente vale é o vazio. 

Uma vida cheia de agitação e agenda lotada, não substitui a paz de uma vida serena que carrega o lençol bagunçado, o óculos na cabeceira da cama e as folhas rabiscadas jogadas ao chão.
E eu ainda reclamei!

“Acho que ela afadigou de estar sempre "vazia"... Mas vazia ela nunca esteve, pois vivia sempre cheia de idéias, pensamentos, inquietudes e preocupações. Se havia vazio era completamente preenchido por dezenas de centenas de pessoas fúteis que faziam jus a uma postura imatura, egocêntrica e arrogante, e que ao invés de esvaziar, acabara por encher ainda mais o pequeno espaço vazio que era reservado para sua paz. 

Pobre garota, não se deu conta que ao invés de vazio ela sobrecarregava sua frágil carcaça” 

Se atenta, pois, tudo nessa vida precisa de um espaço. Imagina como seria se não houvesse o vazio nos vasos onde são colocadas as flores que trazem um pouco de alegria para sala de estar? E se não houvesse vazio no casulo, onde é que a lagarta repousaria para em seguida transformar-se em uma bela borboleta e dar um pouco mais de cor para a paisagem? Pra não falar desta página que a pouco estava em branco, e agora está sendo preenchida por um lapso de pensamento meu, por uma parte única de mim. 

É no vazio do silêncio que apreciamos desde o cantar das aves até as mais belas melodias criadas pelo Homem, neste mesmo momento vazio os olhares se esbarram e dizem coisas até sem dizer, e então a saudade chega de mansinho trateando o peito.
Até as flores nascem no infinito do campo vazio que somente são separadas pela linha da terra e do céu. 
Pense. 
A vida para ser bela precisa do vazio... Do vazio que por alguma razão tem que ser. 

E por que com você seria diferente?!

Precisamos de um pouco desse vazio aqui-ai dentro, para que assim, outras pessoas possam depositar em nós um pouquinho de si.


NZ - 07, 13. 

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Ela gritou com a garganta sangrando




Isso é quase um pedido de socorro enquanto a garganta
é ligeiramente  ferida.
Seus olhos estão sem brilho, sua visão está ofuscada

- O que houve contigo, menina?

Sua voz já não é ouvida.
Os passos então arrastados,
carregando-a sem destino
Seus cabelos sempre amarrados
e mal penteados entregam,
ela não deveria ter saído
da cama, de casa...
Nem ter saído de si.
Ela luta, e se machuca...
Ela desiste.
Mas levanta,
encara
e encanta.
Logo em seguida desanda.
Passa um tempo só,
sozinha não se encontra mais
ela busca,
suplica,
batalha,
mas não conquista,
ela implora,
e espera
Que a calma construa o que a alma só não é capaz.