terça-feira, 27 de novembro de 2012

Meu querido, 2012.


Depois de meses sem escrever e expor a algazarra que havia aqui dentro, decidi voltar e expor em um conciso resumo o retrospecto do meu ano.
Esse ano foi arduamente marcado em minha vida por uma serie de perdas.
Grandes perdas, mas também por alguns ganhos.
Marcado por danos que erroneamente pensei que não pudesse me recuperar e superar, por um coração estraçalhado que hoje em dia tá todo bonitinho de novo, e por falhas que eu jamais pensei que um dia pudesse cometer, mas cometi.
E enganos, muitos enganos.
Ano no qual aprendi a perdoar e pedir perdão da forma mais crua e verdadeira que pudesse existir.
Ano em que eu mais senti a intensidade do amor, e o que a falta do amor acarreta, a dor.
Tive o prazer e o desprazer de conhecer algumas pessoas, cujo deram outro contorno ao modo de ver e entender pessoas e ocasiões distintas.

Como nos enganamos fácil nos momentos de fraqueza, não é?!
Mas isso me veio como um aprendizado impossível de se esquecer.

2012, marcado por muitas escolhas equivocadas, mas também por algumas totalmente certeiras.
Descobri talentos que nunca sequer havia imaginado, fui a lugares que nunca pensei que pudessem existir, lugares lindos com uma energia incrível.
Revi amigos que há anos não via, abracei, apertei a ponto de quase quebrar todas as costelinhas, mas na contrabalança perdi alguns também.
Este ano apesar de desarranjado foi crucial para essa Natallia que sou hoje.

O mês de Outubro foi o mês mais intenso e mais rijo em termos exoráveis, a ponto de dilacerar  minha carcaça, minha consciência e minha alma.
Nesse mês me senti bem próxima do fim, a ainda houve quem julgou ser balela,  chorei, chorei muito, chorei por dor, chorei por saudade, chorei por me enganar, chorei por querer chorar.
E não aliviava, era um vazio desmedido, até que...

Ah, até que conheci uma pessoa incrivelmente encantadora, que com um sorriso me faz ganhar o dia inteiro, mas não pense que foi tão fácil assim, eu tentei correr, e tentei  correr muuuuuito, mas cada vez que eu corria eu me aproximava mais. Estávamos indo na mesma direção e nem havíamos notado, tentei fugir “ mas com você não deu, só consegui ficar
”  rs.
E foi em meados desse mês que tivemos o primeiro contato, a primeira conversa. Um dia depois nos vimos pela primeira vez, e então naquele primeiro olhar senti todo o peso que estava carregando cair, bem assim,  diante dos meus pés, eu não hesitei,  apenas pulei aquele pacote de coisas ruins que  agora estava no chão e fui pra bem pertinho dela.

Definitivamente, pessoas especiais aparecem no momento certo, e não há nem como explicar, coisas ruins acontecem para que coisas boas venham nos alegrar posteriormente, e então veio você me fazer sorrir com esse fulgor único fitando meus olhos.
Você já é especial, menina.

Definitivamente 

Ah, e não poderia deixar de frisar e citar as duas pessoas que eu mais amo no mundo sem nem sequer ter o mesmo sangue, mas que de fato vale muito mais do que qualquer grau parentesco.

Mayna Fortunato e Marcela Curti, que eu amo vocês não é novidade, mas as amo com cada pedacinho do que sou, sem vocês eu não seria nem parte do que sou hoje, estivemos juntas como nunca antes nesse ano, e em anos de amizade nunca havíamos passado e enfrentando tantas coisas juntas.
Vivemos esse ano não mais como 3 garotas afim de curtição, estivemos juntas como adultas, como mulheres capazes de compreender até os momentos mais difíceis e tirar de cada um deles proveito, estivemos juntas como amigas, como IRMÃS, e sobre nós eu definitivamente não preciso dizer nada, apenas agradeço. Por tudo.



Três amigas e um único coração, isso nos resume.


2 comentários:

Bruno Scaramal disse...

Você teve um ano decisivo, diria. Tudo tem que morrer pra nascer novamente, é um ciclo de Sheeva e Brahma. O hinduísmo explica muito bem essa harmonia. Parabéns pelo texto, pelo rico vocabulário. Desejo-te desde já muitas felicidades, pois você merece à partir do momento em que busca. Beijão Natália.

Marcela Curti disse...

Quem tem um amigo, mesmo que um só, não importa onde se encontre, jamais sofrerá de solidão; poderá morrer de saudades, mas não estará só...

Acredito que lindo, seria muito pouco a tu que li nesse seu texto, um ano cheio de bravuras, sofrimentos e alegrias, em que pude estar novamente ao seu lado, pra chorarmos, sorrirmos juntas, nos três...
Ontem, hoje e sempre, é assim que resumo, é a irmã que não tive, que não precisou de sangue pra poder da o sangue por mim, saiba que é um privilegio te ter como irmã, amiga, pois na vida é tão raro termos alguém que nos abrace, nos acolha com verdade, com amor, com carinho, e com puxão de orelha tambem, alguem que se torna o seu refugio dos aflitos da vida, e o sorriso das alegrias ocorridas, que poder estar mais e mais anos contigo, ate quando a vida nos levar, estarei contigo. TE amo demais Nega. <3