terça-feira, 19 de abril de 2011

Em branco

Depois de alguns dias eis que ainda me encontro sem... Sem idéias, sem memórias, nem filetes de inspiração, a única luz em meu pensamento é um gigantesco, imenso e infinito branco.
Onde andas minha inspiração?
Estou a alguns minutos frente a esta folha praticamente em branco  buscando um milímetro de inspiração que seja, mas a única coisa que me ocorre é a privação, quando o que enxergo é somente uma intensa claridade, um exato e infinito branco que não ofusca somente minha vista, turva também minha mente.
Já não reconheço sua cor, desconheço teu sabor e calor, eu não sou mais aquela pequena que na 5ª séria se perdia em palavras quando lhe preceituavam uma dissertativa, isso não deveria ocorrer nos dias atuais quando há extrema necessidade de colocar para fora coisas que me corroem interiormente.
 Não dá para descrever sentimentos que não senti, nem há razões para escrever algo que eu nunca vivi e se houvesse eu não me permitiria a isso, buscar nas lembranças eu não posso uma vez que me falta uma boa memória, nas pessoas que não consigo abandonar também não.
Eu poderia exprimir neste o amor, mas se eu disser que hoje não quero falar de amor... Estaria mentindo, EU QUERO mas não consigo falar sobre ele quando o que estou sentindo é um gosto amargo feito café frio sem nenhum grão de açúcar. 
Não é que meu coração esteja deixando de ser bom, nem as emoções estão me deixando, a questão é o medo que tenho, medo de estar me adaptando a este mundo de chacinas, mentiras e de desamor que tem sangrado meus olhos.
A alternância de idéias e sentimentos tem me causado certa repulsão "de mim mesma", estou correndo de olhos arregalados mas já não sei o que fazer, nem o domínio dos meus pensamentos eu tenho.
 Penso, sinto e faço quase que impulsivamente.
Estou confusa cá dentro de mim no meu lindo jardim de flores do campo e o mundo lá fora esta cada vez mais disforme com flores murchas e mortas.
Poucos homens tentam salva-lo das desgraças que serão conseqüências de suas próprias atitudes. Eu sinto meu coração executando sua função, faço minha parte, amo tudo o que existe dentro e fora de mim, não me falta amor, minha deficiência é de inspiração.

Volto quando nos encontrarmos em uma esquina qualquer, ou quando ela por vontade própria resolver bater em minha porta enquanto isso espero ansiosa dentro do mundo chamado Eu.

3 comentários:

C.C. Mantovani disse...

Busquemos então, inspiração no ato de mais um dia....acordarmos...e termos a oportunidade de fazer diferente...e continuar, sempre! Que seja inspirador cada pulsar de nossos corações....já que estes são nos dados como bençãos...presentes divinos que temos a cada batida do coração....e que o amor, seja fraternal, seja pessoal ou universal....jamais deixe de ser nossa maior inspiração!! neh?

grande beijo!
Boa semana!

mayne disse...

Inspiração vem dos outros. Motivação vem de dentro de nós...

que sejamos motivados quando ela chegar!!

beijoo
^^

Michele P. disse...

Natállia

Ao terminar a leitura não pude deixar de pensar:
"Se sem inspiração ela já escreve com a alma, imagine nos momentos de influxo!"

É assim mesmo... há momentos em que queremos exteriorizar o que pensamos e sentimos, em outros preferimos recolher as palavras. Respeite-os.

Um abraço e um afago